Os Direitos da Pessoa com Deficiência (Parte 2)

Nesta matéria, e nas próximas que postaremos no blog, falaremos sobre os direitos da pessoa com deficiência que, em pleno século 21, o século da informação e do conhecimento, são, muitas vezes, negligenciados, denotando preconceitos e desrespeito às diferenças.

Como defensores da causa da deficiência intelectual, também é nosso papel conscientizar a sociedade sobre os obstáculos que impedem esse grupo de pessoas a exercer a sua cidadania e usufruir de uma vida digna e justa, já preconizada pela constituição brasileira a todos os cidadãos, independentemente de origem, sexo, cor, idade e qualquer outra forma de discriminação.



Os direitos à saúde

Embora, na prática, estejamos distantes da teoria, o correto é que pessoas com deficiência recebam atendimento prioritário e qualificado na rede pública e privada. Cabe ao poder público disponibilizar os medicamentos prescritos, por meio de receita médica, para o tratamento de possíveis patologias ligadas à deficiência.

Os profissionais, especialmente os médicos, precisam orientar a pessoa com deficiência e sua família sobre os autocuidados, detalhando procedimentos e medicações, assim como trabalhar a prevenção, com encaminhamento precoce a outros especialistas, caso a pessoa apresente propensão a desenvolver doenças causadas pela deficiência. Outros serviços especializados, como de habilitação e reabilitação e a oferta gratuita de órteses e próteses auditivas, visuais e físicas, compõem o escopo desses direitos, tantas vezes desrespeitados.

Muitos não sabem, mas a pessoa com deficiência tem direito ao atendimento domiciliar quando seu estado de saúde for grave, impedindo-a de locomover-se ao posto de saúde ou hospital.

Uma das infrações comumente cometidas, que excluem a pessoa com deficiência, é a negação de adesão aos planos e seguros de saúde. Um dos absurdos da história contemporânea que precisamos combater para construir um mundo melhor em que as diferenças sejam vistas como riquezas a serem compartilhadas e vivenciadas de forma fraterna, gerando empatia, solidariedade e, consequentemente, dignidade.

No próximo artigo, vamos falar sobre os direitos profissionais, de educação e ao transporte, resguardados por Leis, essenciais para que seja assegurado o desenvolvimento saudável e a inserção social da pessoa com deficiência.

Não perca! Aproveite e compartilhe este texto para que mais pessoas tenham acesso à informação e abracem esta causa!


3 visualizações0 comentário